TESTE
por Suzane Carvalho


2.000 Km COM A HARLEY-DAVIDSON SOFTAIL DELUXE
fotos: Carsten Horst /Hyset



        SOFT – suave, agradável. TAIL – cauda, rabo. O nome do modelo define exatamente seu design.
        Linhas totalmente arredondadas, sem nenhum ângulo reto, deixando-a simplesmente linda.

        Para manter os aficionados fãs e conquistar novos admiradores, a Harley-Davidson tem trabalhado de forma a manter as linhas clássicas de suas motocicletas, sem deixar de embarcar tecnologia de ponta, deixando “escondida” toda a parte eletrônica.


        Peguei a Softail Deluxe e ela estava com 2.672 km. Andei por 2.000 Km em auto-estradas, estradas de terra, e no trânsito do Rio de Janeiro e de São Paulo, no seco e na chuva.

        Branca e preta com pneus com faixa branca, além dos cromados que estão até nos para-lamas, por onde ela passa, atrai olhares.

        O ronco forte característico de seu motor refrigerado a ar retém os olhares até que ela saia do campo de visão do “espectador”.


        O imenso farol redondo mede quase 18 cm. Além dele, dois faróis adicionais compõem a frente. São super eficientes e ajudam bastante na iluminação. Nunca fui tão vista e respeitada, mesmo de dia! O farol principal acende automaticamente quando se liga a chave de ignição. O cromado que envolve as três luzes serve como “retrovisores extras” ajudando a aumentar o campo de visão.
        Falando em retrovisores, eles têm desenho original e são bem eficazes, já que o ângulo de curvatura é grande o suficiente para enxergar tudo o que está atrás.

        O escapamento, também cromado, é no estilo “shotgun” (um acima do outro) com silenciadores duplos.



        O banco em concha, as rodas com raios cruzados, e o motorzão V2 de quase 1.600 cc, também cromado, completam o visual atrativo.
        O desenho dos bancos acompanha o estilo da moto. O do piloto está a apenas 63 cm do chão.
        Como ele é côncavo, não há como escolher muito a posição. Você se encaixará no fundo dele. Mas é possível fazer um pequeno ajuste no guidão para posicionar os braços. A posição do carona é afastada do piloto, e se você for levar alguém para passear, o encosto do banco dele torna-se acessório obrigatório (R$ 1.240,78), até mesmo porque, ele é também um pouco inclinado para trás. Mas se não for levar ninguém, é possível retirá-lo para colocar seu baú.

        O bagageiro fica em nível um pouco mais baixo que o banco. Se fosse na mesma altura, seria mais funcional.



        Já montada na moto, gostei muito do painel que fica em cima do tanque de combustível. O velocímetro é redondo e eletrônico, mas analógico e com os números em uma fonte bem clássica e bonita. Espalhadas dentro dele estão as luzes indicadoras do sistema elétrico, ABS, alerta do nível de combustível, bateria, pressão do óleo, sistema de segurança, verificação do motor e da 6ª marcha. Já que tem tantas lâmpadas indicadoras, poderia ter uma também para informar quando os faróis auxiliares estão acesos.

        Um pouco mais abaixo, compondo o conjunto da chave geral, estão as luzes indicadoras das setas direcionais, separadas, além das de óleo, ponto neutro e farol alto. A chave tem uma posição chamada “acessórios” que deixa você utilizar as luzes mesmo com a moto desligada. Isso é para alguma situação de emergência. Tem que prestar atenção, pois se o pisca-alerta for ligado antes de você desligar a moto, ele se mantém ligado mesmo com a chave geral desligada. E isso pode fazer com que descarregue a bateria. Aconteceu comigo enquanto fazia as imagens para a TV.

        Na parte de baixo do conta-giros, um pequeno campo digital mostra apenas uma informação por página, mas de troca bastante rápida através do polegar esquerdo: odômetro total, parcial 1, parcial 2, autonomia, relógio e marcha com giro do motor. A única troca demorada é exatamente esta última, que é a mais importante. Não entendi porque ficam passando letrinhas de “GEAR/RPM” em vez de mostrar logo a informação.

        Em cima do tanque, em simetria com o bocal de abastecimento, tem ainda o mostrador do nível de combustível. Que bom! Assim dá para “ver” quantos litros tem no tanque e escolher como andar e quando parar. Acho-o mais eficiente que o cálculo eletrônico da autonomia.

        Da posição de pilotagem, todo o conjunto ótico dianteiro tem um visual muito agradável e é lindo de se ver.



        O conjunto ótico traseiro é bem clássico, com as setas redondas separadas da lanterna.

        Os comandos das setas ficam localizados cada um, em um manete, e as setas desligam automaticamente com base na velocidade e ângulo em que a moto está. Com isso, dá para trafegar no corredor sem que elas desliguem.

        Os apoios para os pés são imensos e em velocidade de cruzeiro, dá até para mudar a posição da perna.

        A buzina é bastante potente. O som está mais buzina de caminhão do que para de “motoboy”.



        A Harley-Davidson dá especial atenção à pintura que tem diversas camadas de tinta e verniz, sendo que a metalizada tem as partículas de metal maiores do que normalmente se usa na mistura. O tanque é polido à mão.

        Não é preciso que você coloque a chave no contato para virar o motor. Ela tem um sensor de presença para o motor e o alarme, que é muito cômodo. É só chegar perto com ele no bolso, subir na moto, virar a ignição, dar a partida e ir embora. Mas se você for parar em algum lugar crítico (leia-se: com perigo de levarem sua moto), é aconselhável usar a chave para trancar a ignição e a coluna de direção.



        FALANDO DO MOTOR
        É um motorzão de 1.584 cm3, Twin Cam 96B (comando duplo no cabeçote), V2 com 45° entre eles, quatro tempos, refrigerado a ar com injeção eletrônica.

        A Harley-Davidson não divulga a potência dos motores de suas motos. Mas como sou curiosa, levei-a para o dinamômetro da oficina do Luiz Cerciari, em São Paulo, e achamos 61.36 cavalos na roda a 5.200 rpm e 69.69 no motor, a 5.300 rpm na velocidade de 136.2 Km/h. Pode parecer pouca potência para um motor de 1.600cc, mas o torque é de 11,3 Kgf a 3.700 rpm. Claro que não estávamos nas condições de medições oficiais, mas sim nas condições que um usuário se encontra normalmente.
        O valor do torque divulgado pela fábrica é de 13,8 Kgf.m a 3.500 rpm.

        A taxa de compressão é de 9.2:1 e o diâmetro x curso do pistão é 9,53 cm x 11,11 cm.





        Motor grande e pesado tem que ter transmissão e caixa de câmbio do mesmo modo, e dá para sentir isso na troca. São seis marchas e a transmissão primária é feita através de corrente enquanto a final é por correia, que deve ser regulada da mesma forma que uma corrente.
        A 6ª marcha, bastante longa (2.79), só mesmo para auto-estrada.
        Aqui, todas as relações: 1ª - 9,3 / 2ª -6,4 / 3ª - 4,7 / 4ª - 3,8 / 5ª - 3,3 / 6ª - 2,7.
        O óleo da transmissão deve ser verificado tanto quanto o óleo do motor.


        Ela tem um recurso chamado de “Estratégia de Gerenciamento de Temperatura em Ponto Morto” (EITMS) que corta o combustível e a ignição do cilindro traseiro quando em marcha lenta. Mas isso só é possível ativar na concessionária.


        SUSPENSÃO
        Os amortecedores traseiros são horizontais e não ficam à mostra, para manter o estilo clássico da moto. Ela é bem macia em retas, mas estabilidade em curvas de alta não é o seu forte. Se você quiser, até dá para endurecer um pouco a carga das molas, mas terá que fazer isso em uma oficina, já que é preciso desmontá-la para tal.
        Em estrada de barro batido, não tive nenhum tipo de incômodo, mas quando surgiram os buracos, ondulações e pedras soltas, ela logo mostrou que não é para ser usada nesse tipo de terreno.
        A dianteira é forquilha telescópica.

        A Softail Deluxe vem calçada com pneus especiais da Dunlop.
        O dianteiro é um pneu “premium touring” que tem uma caixa de três camadas de poliéster e dois cintos de fibra de vidro. Na traseira, pneu “cruiser” que a Dunlop diz ter excelente aderência tanto no seco como no molhado. Andei com ela na chuva e acredito que a segurança que senti tenha sido também devido à grande área de borracha macia em contato com o solo. A recomendação para troca dos pneus é a cada 5.000 Km.
        A calibragem recomendada é de 36 na frente e 40 na traseira, mas achei para mim a calibragem de 40/45.
        Ambas as rodas são 16”.

        Tem freios a disco tanto na dianteira quanto na traseira, sendo 4 pistões na frente e dois na traseira, com ABS de série. Os componentes do freio ficam “escondidos”. Estão dentro do cubo de roda. A fiação de toda a eletrônica também fica camuflada para que somente o design da moto se sobresaia.

        O tanque de combustível tem 18,9 litros e na minha mão, o consumo na cidade ficou em 14,5 Km/l e na estrada, em 16,4. Foi a primeira vez que gastei mais combustível na cidade, e isso se deve a relação longa.

        Cheguei a uma velocidade de 185 Km/h. Mas acima dos 120, o vento no peito passa a ser muito forte. Acima dos 140, o para-brisas torna-se obrigatório (R$ 1.913,27), a não ser que o piloto costume fazer treinamento na musculatura do pescoço, como eu.






        MEDIDAS
        O comprimento total dela é de 2,405 m e a largura, 98 cm. O entre-eixos é de 1,638 m.
        A altura total, 1,15 m e a altura do banco, 62,2 com o piloto. A distância mínima do solo é de 12,2 cm.
        Pesa 315,3 Kg vazia e 330 em ordem de marcha.
        Contando com o peso da moto, pode carregar até 526,2 Kg, sendo 195 na dianteira e 331 na traseira.
        São sete opções de cores, e a Softail Deluxe está custando de R$ 43.900 a R$ 44.800,00 dependendo da cor.

        No site oficial tem uns vídeos interessantes da montagem das motos na fábrica. Veja aqui.




        Algumas dicas de pilotagem:
        - pilotando com os joelhos grudados no tanque faz com que a aerodinâmica melhore muito.
        - deixe o acelerador um pouco aberto nas trocas de marcha. Isso fará com o pulo entre elas fique mais macio.
        - é aconselhável andar sempre com calças bastante grossas, já que sentamos em cima do cilindro de trás do motor e a perna direita fica bem próxima do tanque de óleo. Essa é uma dica para praticamente todas as motos custom.



       CLIQUE AQUI PARA VER A GALERIA DE FOTOS COMPLETA DA DELUXE !


27 de julho de 2011


LEIA AQUI ALGUNS TESTES DE CARROS, MOTOS E CAMINHÕES FEITOS POR SUZANE

TESTE DA SUZUKI GSX 1300R HAYABUSA

TESTE DA YAMAHA TÉNÉRÉ 250

TESTE DE 100 Km DO J6, MINIVAN DA JAC MOTORS

1.500 KM COM O JAC J3 TURIN

TESTE DA HARLEY-DAVIDSON SOFTAIL DELUXE

HONDA HORNET 600 NA PISTA E NA ESTRADA

RANGE ROVER VOGUE TDV8 4.4

TESTE DO NOVO CARGO 1932 DA FORD

APRESENTAÇÃO/TESTE DA BIG TRAIL DA HONDA, XL 700V TRANSALP

EXPEDIÇÃO-TESTE COM O LUXUOSO OFF ROAD, LAND ROVER FREELANDER 2

APRESENTAÇÃO/TESTE DA HONDA VFR 1200F

TESTE DO JAC J3 HATCH

TESTE DO MERCEDES-BENZ CLASSE C 250 CGI

TESTE DO LAND ROVER DEFENDER

COMPARATIVO ENTRE 3 MODELOS DO FIAT IDEA

TESTE DO FIAT PUNTO 1.8

APRESENTAÇÃO DA HONDA SHADOW 750 2011

TESTE DA HONDA BIZ 125 FLEX 2011

TESTE DA SUZUKI GSX-R 1000

TESTE DO BRAVO, O NOVO HATCH ESPORTIVO DA FIAT

TESTE DO INSIGHT E DO CR-Z, OS MODELOS HÍBRIDOS DA HONDA

TESTE DO MUSCLE CAR DA GM, O CHEVROLET CAMARO 2011

TESTE DOS NOVOS MOTORES E.TORQ DA FIAT

APRESENTAÇÃO E TESTE DO CITROEN C3 AIRCROSS

TESTE DA HONDA CBR 1000RR FIREBLADE

TESTE DO CAMINHÃO ACTROS DA MERCEDES-BENZ

TESTE DO NOVO UNO ATTRACTIVE 1.4 NA ESTRADA

TESTE DA KAWASAKI NINJA ZX-10R

TESTE DO NOVO SORENTO

40 ANOS DO RANGE ROVER

30 ANOS DO GOL

TESTE DA YAMAHA XJ6N

TESTE DO SUPERESPORTIVO AUDI R8 V10

TESTE DO NOVO DOBLÒ

TESTE DO CHEVROLET AGILE

TESTE DA HONDA XL 1000V VARADERO

TESTE DO HONDA NEW FIT

TESTE DA HONDA LEAD

TESTE DA HONDA XRE300

TESTE DA HONDA CB300R

TESTE DO TOYOTA SW4 GASOLINA

TESTE DA HONDA VTX 1800C

TESTE DA YAMAHA DRAG STAR 650

TESTE DA YAMAHA XT660R

TESTE DA YAMAHA XTZ 250 LANDER